Os frutos (inesperados) de um trabalho bem feito

Um trabalho bem feito é como “acertar o que você vê, e atingir também o que você não viu”.

Hoje em dia, as pessoas estão gastando seu tempo cada vez menos com trabalhos bem feitos.

Um trabalho concentrado, uma atividade que exige máxima concentração e o mínimo de distrações, é algo bastante escasso e, portanto, raro, nos dias atuais.

E quanto mais raro é, mais valorizado ele tende a ser.

Isso ocorre porque as pessoas, a sociedade de uma maneira geral, estão reduzindo sua capacidade de foco, atenção e concentração diante do (a) excesso de informação, que conduz à distração; e (b) do excesso de desatenção provocada pela massificação dos vícios decorrentes das luzes e telas que convidam ao relaxamento e à busca incessante por novidades para aplacar a sede insaciável do cérebro por mais dopamina.

Quando foi a última vez que você conseguiu fazer algo ininterruptamente por 50 minutos consecutivos, sem ser interrompido por uma notificação de celular, uma chamada telefônica, alguém te chamando, ou um interfone tocando?

Difícil se lembrar.

Tempos atrás, a Microsoft conduziu uma pesquisa sobre os hábitos dos trabalhadores de escritório, ou seja, daqueles que ficam sentados diante de uma tela de computador. A conclusão a que eles chegaram foi espantosa: em média, os trabalhadores ficam alternando as abas no navegador, ou entre os diferentes aplicativos rodando no computador, a cada 11 segundos. Não é a cada 11 minutos. É a cada 11 segundos.

Desse modo, desligar as notificações de celular, ou desligar o próprio celular, não constitui apenas o único desafio para manter um trabalho focado. Quando você está diante do computador, é preciso também “desligar” todo o resto, o que inclui desativar o WhatsApp Desktop, e também as outras 18 abas do Chrome ou do Firefox ligadas. É desafiador. E é complicado, porque vai contra os nossos instintos naturais de sede por novidades.

Mas as recompensas são muito positivas, para quem consegue produzir um trabalho com total concentração.

Escrever um blog, ou mesmo pensar mais profundamente sobre determinados hábitos que temos, se realizados de modo profundo e com total concentração, podem produzir resultados maravilhosos e que vão além daquilo que inicialmente prevíamos.

E a coincidência de dois fatos recentes serviu de mote suficiente para a produção do artigo de hoje: os frutos inesperados de um trabalho bem feito.

O artigo sobre as vantagens de eliminar o segundo carro da família levou um certo tempo para ser produzido, e exigiu reflexões bastante acuradas sobre os prós e os contras desse comportamento.

Exigiu, também, várias revisões e correções de texto antes de ser finalmente publicado.

Publicado, teve repercussões bastante interessantes na caixa de comentários, mas também provocou um efeito colateral inesperado, que eu já havia divulgado no Twitter: ele foi citado no site do Laboratório de Inteligência em Mobilidade Urbana Sustentável, do Programa de Estudos Pós-Graduados em Tecnologias da Inteligência e Design Digital da PUC-SP => bit.ly/34dmoOB

Isso é um exemplo de um fruto inesperado de um trabalho bem feito.

E em seu trabalho? Você já desenvolveu alguma atividade, elaborou algum projeto, concluiu alguma tarefa, que gerou resultados para além daquilo que você estava projetando inicialmente?

Todos nós temos exemplos, depoimentos, lembranças e testemunhos de atividades que realizamos cujos efeitos se ampliaram para além dos horizontes que havíamos inicialmente previstos.

E isso só é ou só foi possível graças, sobretudo, à quantidade de dedicação e concentração que empenhamos no desenvolvimento da referida atividade.

Tudo o que vale a pena ser feito vale a pena ser bem feito, já dizia o velho provérbio.

O detalhe é que o bem feito pode gerar muitas outras consequências positivas.

Reflexões profundas são capazes de gerar novos comportamentos em outras áreas da vida

Mas não é apenas o trabalho material em si, aquilo que impacta direta e imediatamente no mundo exterior, que produz resultados inesperados. Também o simples ato de pensar, de refletir, se for realizado também de modo profundo, pode gerar resultados inesperados, que não estavam previstos inicialmente.

Trago novamente o depoimento da leitora Emile, que, após pensar sobre a (des)necessidade de seu carro, alargou o espectro de suas reflexões também em relação à sua moradia:

“Eu me desfiz do meu carro ano passado (em novembro) eu reparei que estava usando o veículo praticamente para ir para o trabalho e para a academia (que ficava no caminho), então troquei a academia para uma perto da minha casa e comecei a utilizar o fretado da empresa e olha, a economia é impressionante, além do valor do carro (e de poder realocar o valor que eu guardava mensalmente planejando a troca que eu fazia em média a cada 5 anos) tem todos os gastos de seguro, imposto, manutenção, estacionamento, combustível, lavagens….

A pandemia e o trabalho em home office facilitaram ainda mais a mudança e como meu companheiro tem o carro dele praticamente não tive alterações no meu dia a dia.

Realmente não é muito fácil fazer uma mudança desse porte, eu tive carro desde os meus 20 anos (estou com 37 agora) mas no fundo é uma questão de ajustes de prioridades.

Agora andamos questionando nossa moradia, moramos num apartamento na região central da cidade (financiado pela CEF que deve ser quitado em 2 anos) caso o home office se mantenha, estamos avaliando a mudança para uma casa numa região mais afastada, mas com pátio e um valor menor que o apto (considerando aqui também IPTU, condomínio e manutenções).

Esse tipo de post é muito importante para nos tirar do piloto automático e fazer pensar no que realmente é importante para nós.

Muito obrigada pelas reflexões”.

Esse tipo de reflexão com resultados “alargados” costuma gerar impactos muito positivos quando você começa a analisar, por exemplo, seus gastos, seu orçamento doméstico.

Qual é o intuito inicial? Economizar dinheiro de uma forma mais inteligente, cortar gastos desnecessários etc.

Porém, à medida que você vai aprofundando suas reflexões orçamentárias, você acaba sendo conduzido naturalmente a repensar suas próprias prioridades de vida, e não apenas de gastos. Roupas e perfumes: será que gastar tanto com roupas e perfumes é realmente uma prioridade assim tão importante? Restaurantes: cortar gastos com restaurantes nessa pandemia impactou de modo tão negativo a minha vida? E assim por diante…

Conclusão

O trabalho que gera valor, as reflexões que geram mudanças, são “produtos” de alta escassez hoje em dia, porque demandam tempo, concentração e dedicação para serem construídas, e a absoluta maioria das pessoas não quer saber de se concentrar, pois caíram na armadilha dos vícios em distrações mentais.

Hoje em dia, a procura constante é pela zona de conforto, pelo fácil, pelo atalho, pelo caminho que consome menos energia e proporciona menos cansaço, principalmente mental.

Porém, tudo o que vale a pena nessa vida não vem fácil. Exige esforço, exige dedicação, exige concentração, exige disciplina.

A recompensa pelo trabalho bem feito – ou por reflexões bem feitas – não vem apenas na forma dos resultados previsíveis que você pretende alcançar. A recompensa vem, muitas vezes, de forma completamente inesperada, por frutos que você não imaginava.

Então a dica de hoje é essa: simplesmente concentre-se mais. Esforce-se mais. Dê um gás extra. Quando você acha que sua energia tiver acabado, lembre-se da sua reserva mental de 30% a mais que pode ser gasta. Vá além. E depois desfrute dos resultados positivos esperados – e inesperados – que só um trabalho bem feito é capaz de proporcionar. 😉

 

O post Os frutos (inesperados) de um trabalho bem feito apareceu primeiro em Valores Reais.

Fale Conosco
Mande um WhatsApp